Lista: 4 livros para meninas empoderadas

novembro 19, 2017 / Francisco Soares Chagas Neto /

Selecionamos quatro livros que foram lançados em 2017 que exaltam mulheres fortes, e incentivam meninas e jovens a ser o que desejarem




Ao longo da história. Contos e obras ficcionais foram utilizas para reforçar um esteriótipo social. Em muitos desses casos, mulheres se tornaram subjulgadas em várias histórias, reforçando a sociedade patriarcal constituída. Um desses exemplos são os contos de fadas. Em alguns deles é comum ver que mulheres necessitam casar para serem aceitas socialmente, ou devem seguir regras rigorosas para não sofrerem "consequências dolorosas".

Durante o século XX, a Disney, maior estúdio de animação do mundo se apropriou desses enredos e impregnou muito outros conceitos machistas nessas histórias. Branca de Neve, que foi usada pelos anões como uma "empregada"; a Bela Adormecida, que apesar de dar nome ao filme, passa a maior parte do tempo, dormindo, esperando o príncipe encantado; A pequena Sereia e a eterna busca por um amor. E por aí vai. Sem contar, que muitas dessas histórias finaliza no casamento, como se ele fosse o "feliz para sempre", "objetivo máximo de uma mulher". Aos poucos, isso vem mudando. Na própria Disney, muitas histórias já fogem desse esteriótipo, como Valente, Frozen e Moana.

É natural que a literatura também se aproprie desses novos discursos, trazendo a cena o protagonismo feminino nessas histórias. E nesse momento, a instituição literária assume o seu papel social de subverter tudo o que foi proposto anos atras (Estou falando mais, em relação ao público infanto-juvenil. É óbvio que na literatura de ficção, essa discussão vem sendo debatida há muito tempo. Desde da época da Jane Austen, eu diria).

E 2017 foi um ano extremamente importante para pautar essas discussões na literatura, especialmente pelo crescimento de uma "onda conservadora" que vem assolando o mundo. Então, várias histórias entraram nesse gancho, justamente para subverter e entrar em conflito com o pensamento machista opressor. E selecionamos quatro histórias lançadas no Brasil que estão sobre essa discussão, que mostram as jovens meninas que o importante é ser o que desejarem. Lutando contra a cultura machista dominante.



CHAPEUZINHO ESFARRAPADO E OUTROS CONTOS FEMINISTAS DO FOLCLORE MUNDIAL

Um dos primeiros lançamentos de 2017 nessa perspectiva foi publicado pela Editora Seguinte. Organizado por Ethel Johnston Phelps e ilustrações de Barbara Malagoli. Esse livro foi um intenso trabalho de pesquisa feito pela organizadora que buscou na história da humanidade, contos que mostram a força de mulheres, tanto em seu aspecto físico, como psicológico.

Na introdução, Ethel ressalta o trabalho difícil de busca desse material, visto a sociedade patriarcal vivida que simplesmente apagava da memória , contos que tinham essa conotação de mulheres empoderadas. Mesmo assim, ela ressalta que foi possível encontrar vários deles em todo o mundo que deu origem a esse livro. E são histórias extremamente fantásticas, inclusive, algumas são melhores, que os contos de fadas que conhecemos. Vale ressaltar, que essas histórias não são recontos, das obras que conhecemos e sim já existiam em vários períodos anteriores aos nossos.

Outro ponto importante apontado pela autora é que alguns desses contos são finalizados em casamentos. Visto que naquele período histórico era o ápice social, diferente dos dias de hoje, então, por isso, a autora decidiu mante-los, a fim de respeitar a fidelidade das histórias.

Entre algumas dessas histórias, posso ressaltar a que deu origem ao titulo desse livro "Chapeuzinho Esfarrapado", que traz uma personagem que era subjulgada, até que em um momento de reviravolta ela demonstra inteligência para resolver o problema. Outros contos interessantes é "Três Mulheres Fortes", que mostram três gerações de mulheres de uma família que tinham uma força extraordinária; e Também "Kamala e os sete ladrões" que mostra como uma mulher conseguiu enganar sete ladrões, de maneira espetacular.

Chapeuzinho Esfarrapado e Outros Contos Feministas do Folclore Mundial

HISTÓRIAS DE NINAR PARA GAROTAS REBELDES

Esse livro chegou revolucionando o mercado de financiamento colaborativo do mundo, sendo o livro que teve o maior suporte nesse tipo de financiamento em todo o planeta. Com a ajuda de mais de 20 mil pessoas, foi arrecadado mais de um milhão de dólares para que esse projeto saísse do papel. Para se ter uma ideia. Esse valor é pago para que grandes autores escrevam suas histórias. É um valor extremamente considerável no mercado literário. Mas qual foi o fruto desse sucesso todo?

A sua proposta. O livro é um copilado de 100 histórias de mulheres que foram/são importantes na história da humanidade. Desde Cleópatra, no Egito Antigo, até Coy Mathis, a jovem de apenas 10 anos de idade que adquiriu o direito de frequentar o banheiro feminino, depois de comprovado que ela era uma garota trans.

São histórias escritas de maneira simples, e que podem ser contadas para meninas e meninos (também), mostrando que muitas mulheres na humanidade tiveram forças extraordinárias para serem o que desejavam, apesar de todas as dificuldades. Então é fácil encontrar nesse livro, cientistas como Ava Lovelace, que foi responsável pela programação que deu origem ao computador; a Rainha Elizabeth I, conhecida pelo seu reinado mais democrático da história da corte inglesa; Cora Coralina, escritora brasileira que se dedicou a literatura depois dos 60 anos de idade; Michelle Obama, primeira dama dos Estados Unidos (a primeira afrodescendente) ; As irmãs Mirabella, ativistas assassinadas pela ditador da Republica Dominicana; Margaret Thatcher, primeira ministra britânica; Malala Yousafzai, ativista mais jovem a ganhar o nobel da paz, entre muitas outras.

Além das histórias, ilustrações de 70 artistas acompanham cada uma das mulheres, dando aquele arremate para vidrar os olhos das crianças nas comoventes histórias.

Um ponto que chama bastante atenção nesse livro é a diversidade de histórias. Apesar, da maioria ser de personagens históricas norte-americanas. É possível encontrar mulheres dos cinco continentes do globo, incluindo a África. Além da presença de mulheres brancas, negras, trans, lésbicas, mostrando o quanto isso é importante para que os leitores se sintam representados de alguma forma. Outro ponto relevante desse livro, é que, por meio dele, muitos países resolveram editar suas próprias obras. Nessa perspectiva, mostra personagens mais específicos de determinadas regiões e faz a roda da criatividade girar. Inclusive, as duas próximas histórias que serão citadas, é perceptível a inspiração nesse livro. O que é maravilhoso.

História de Ninar para Garotas Rebeldes

50 BRASILEIRAS INCRÍVEIS PARA CONHECER ANTES DE CRESCER

Em setembro de 2017, às vésperas dos dias das Crianças (presentão), as grandes mulheres brasileiras ganharam a sua versão para jovens. Escrito por Débora Thomé, o livro traz a vida de 50 mulheres que foram importantes para história do Brasil. Desde as mais conhecidas Dilma Roussef, Chica da Silva, Ana Botafogo, Anita Garibaldi, até outras nem tanto, como a primeira mulher deputada Carlota Pereira de Queiroz e a aviadora Ada Rogato.

A autora disse em entrevista o desafio de mesclar o conteúdo, voltado para crianças e também adultos e que ela pensou muito sobre o que a "Débora" pequena gostaria de ouvir para então escrever essa história, que para ela são de mulheres que subvertem os papeis de gêneros designados na sociedade.

Entrevista Completa da autora

Foto Divulgação - Editora Record


EXTRAORDINÁRIAS MULHERES QUE REVOLUCIONARAM O BRASIL

E editora que iniciou, também terminará o ano com grandes lançamentos voltados para o empoderamento feminino. Uma dessas histórias foi o livro escrito pelas autoras Aryane Cararo, jornalista que escreve sobre infância e o universo materno infantil, e Duda Porto de Souza. As duas passaram dois anos pesquisando sobre diversas personalidades femininas que fizeram diferença para a história do Brasil. Mulheres essas muitas vezes esquecidas de serem contadas nos livros de história, como Georgina de Albuquerque, Bárbara de Alencar, Dandara, Indianara Siqueira, Niède Guidon, Nise da Silveira, Dona Ivone Lara,entre outras.

Dorina Nowill por Yara KonoBlog da Companhia das Letras


Agora é só escolher a melhor opção e dar a uma jovem de presente para se inspirar em histórias como essas e para quem sabe construir a suas próprias histórias de força e coragem contra esse universo machista em que ainda vivemos.

Recomendado Para Você

0 comentários

Comente com o Facebook

Todas As Postagens

Resenha

Soodacast

Instagram