Resenha: À Primeira Vista - David Levithan & Nina la Cour

junho 10, 2017 / Redação SOODA /

Sentimentos como autodescoberta, amizade, cumplicidade estão presentes nessa relação de dois adolescentes que se tornaram grandes amigos na porta de mais uma Parada do Orgulho Gay




Maio de 2006. Poderia ser um dia comum em minha vida, porém eu dava os primeiros passos em caminho da vida adulta. Fui a primeira Parada do Orgulho Gay em Belém. Quantas cores, pessoas diferentes, que mundo é esse? é algo paralelo que eu nunca tinha enxergado antes? Meu coração estava naquele lugar, mas minha mente não entendia. O desejo e pensamento não combinavam. Dei meu primeiro beijo gay. Sim, era isso que eu era, na verdade é isso que eu sou. Não poderia guardar mas em minha alma, precisava transcender, ser verdadeiro. E quem me mostrou isso, foi um grande amigo, (não o beijo, a parada).

Esse foi o sentimento inicial que eu tive quando li "À Primeira Vista". Me transportei para 11 anos atras, para o Francisco de 2006, e ele ouviu essa história, e algo a mais deu sentido à vida dele, de continuar, de ser apenas o Francisco, não importa a orientação sexual. E isso mudou o Francisco de 2017.

A obra retrata o inicio da amizade de dois jovens gays. Mark é gay, Kate é lésbica. Ele estava com o coração se partindo, porque levou o seu amigo Ryan a uma festa que da inicio as comemorações do Orgulho Gay em São Francisco, porém eles na verdade eram "amigos com benefícios", se pegavam de vez em quando, mas isso não estava bem claro, e Ryan aproveitou essa festa para se divertir. Kate foi parar na mesma festa, isso porque ela tinha um encontro antes com Violet, mas tinha medo de que não fosse dar certo, e fugiu. Quando ela está com medo foge. Enfim, os caminhos deles se cruzaram e foi "Amizade, à primeira vista".

Os dois saíram da festa e foram dar uma volta, começaram a contar seus percalços, e decidiram inventar uma mentira, o que eles não tinham ideia é de que uma mentira bem contada, pode se tornar verdade, não é mesmo?



Amizades que costumam surgir de momentos frágeis tendem a ser as mais duradoras. Eu, por exemplo tenho uma grande amiga que nasceu do momento que eu decidi que não deveria guardar, mas esse sentimento dentro de mim e foi mais ou menos assim com Mark e Kate, ou seria com Leviathan e La Cour (nunca saberemos... heheheh). E aos poucos, conforme as situações vão se consolidando, é fácil criar uma empatia com esses personagens.

Mark e Kate são parecidos, especialmente na questão da impulsividade, porém ele é mais forte, decidido, sabe o que quer, tem medo, mas vai em frente. Depois até pensa "O que foi que eu fiz?" e isso o torna muito verdadeiro. Já ela, pensa demais e seus impulsos levam para caminhos tortuosos, ela é habilidosa, inteligente, porém seus medos tomam conta dela, isso faz com que ela sofra por antecipação. No fim ao cabo, eles acabam se completando.

E a Parada do Orgulho Gay ali é um grande pano de fundo, pois é um momento de encontro, de mostrar a sociedade que as pessoas podem ser felizes, que podem viver harmoniosamente bem, mesmo sendo tão diferentes. E nesse aspecto os outros personagens se tornam essenciais para a obra. Ryan, amigo de Mark que ainda não se assumiu publicamente, Lehna, amiga de Kate, a qual viviam grudadas, até o aparecimento de Mark, deixando-a com muito ciúme, tipo ciúme #modohard, e não posso esquecer de mencionar a Violet, que mulher mais fofa e compreensiva. Uau... melhor personagem, desde quando ela apareceu, parece que as coisas começaram a se acertar, apesar de alguns percalços básicos, porque enfim, o livro precisava continuar.

A partir de segunda-feira dessa semana (12/06) será a semana do orgulho gay em São Paulo, na maior cidade do Brasil (confira programação completa aqui) que culminará na Parada Gay, no próximo dia 18/06, com perspectiva de 3 milhões de pessoas e só consigo imaginar quantos Marks e Kates estarão por lá, quantos Ryans, Violets. Quantos Franciscos estarão por lá pela primeira vez, incrustados em um novo mundo onde o que impera é o autoconhecimento que pode levar-nos a ser felizes, pois afinal de contas "Love Wins".

À Primeira Vista leva corações indecisos, e mentes confusas a entender o que está acontecendo em nossas almas e a enfrentar os nossos medos, por meio do companheirismo, amizade e amor.



À Primeira Vista (You Know Me Well)
Autores: Nina LaCour & David Levithan
Editora: Selo Record (Grupo Editorial Record)
Ano: 2017
Skoob: 4,2 Estrelas / Goodreads: 3,8 Estrelas
Compre Aqui
05 Estrelas
Esqueça amor à primeira vista. Esta é uma história de amizade à primeira vista... ou quase. Mark e Kate são da mesma turma de cálculo, mas nunca trocaram uma única palavra. Fora da escola, seus caminhos nunca se cruzaram... Até uma noite, em meio à semana do orgulho gay de São Francisco. Mark, apaixonado pelo melhor amigo — que pode ou não se sentir do mesmo jeito —, aceita o desafio que mudará sua vida. E sobe no balcão do bar em um concurso de dança um pouco diferente. Na plateia, Kate, fugindo da garota que ela ama a distância por meses e confusa por não se sentir mais em sintonia com as próprias amigas, se encanta pela coragem e entrega do rapaz. E decide: eles vão ser amigos. Em meio a festas exclusivas, fotógrafos famosos, exposições em galerias hypadas, essa ligação se torna cada vez mais forte. E Mark e Kate logo descobrem que, em muito pouco tempo, conhecem um ao outro melhor que qualquer pessoa. Uma história comovente sobre navegar as alegrias e tristezas do primeiro amor... uma verdade de cada vez.
Autores: David Levithan: é um dos autores contemporâneos que mais tem se focado a escrever livros para a literatura LGBT, inclusive tendo vários best sellers como Garoto Encontra Garoto, Dois Garotos se Beijando, e Wll & Will, o qual escreveu em parceria com John Green. Além disso, o autor é famoso, pelo livro Todo Dia, que ganhou um adaptação estrelada por anne hathaway.
Nina la Cour é escritora de livros voltados para o público YA, tendo obras indicadas a diversos prêmios literários e é casada com uma fotografa e mora em São Francisco (Esses dois últimos pontos foram destacada propositalmente).

Recomendado Para Você

0 comentários

Comente com o Facebook

Instagram